Segunda, 19 de Novembro de 2018
   
Tamanho do Texto

Pesquisar

Provérbios 16.24

  

Provérbios 16.24

“As palavras agradáveis são como um favo de mel, são doces para a alma e trazem cura para os ossos” (Pv 16.24 NVI). 

Houve uma ocasião em que Saul fez um voto bastante insensato. Em plena guerra com os filisteus, o rei fez um juramento no qual nenhum soldado israelita podia comer até o anoitecer. Jônatas, filho do rei, que não estava presente quando o voto foi feito, viu favos de mel no bosque e os comeu, o que quase lhe custou a vida. Além de ser uma tentativa tosca de tentar manipular o Senhor para obter vitória na guerra, Saul desprezou a necessidade física de seus soldados. Jônatas, ao saber do juramento, disse algo verdadeiro: “Meu pai trouxe desgraça para nós. Veja como meus olhos brilham desde que provei um pouco deste mel. Como teria sido bem melhor se os homens tivessem comido hoje um pouco do que tomaram dos seus inimigos. A matança de filisteus não teria sido ainda maior?” (1Sm 14.29,30).

Se Jônatas falou do efeito literal do mel, Salomão se valeu do seu sentido figurado para qualificar os efeitos produzidos pela boca dos servos de Deus. Nesse sentido, ele diz que “as palavras agradáveis são como um favo de mel”. Para quem atravessa lutas e necessidades, assim como soldados em uma guerra, palavras sábias, edificantes e amáveis agem como a porção de mel que Jônatas comeu, sentindo-se revigorado depois disso. É uma pena que muitos crentes, tendo a possibilidade de adocicar o azedume das tristezas alheias com simples palavras bem escolhidas e com uma atitude encorajadora, optam fazer o oposto. Oferecem críticas destruidoras em vez de apoio, terminando de derrubar quem já estava encurvado.

Pode parecer bobagem, mas quem atravessa dificuldades realmente precisa ouvir palavras agradáveis, não no sentido de serem o que ele quer ouvir, mas de serem o que Deus ensinou nas Escrituras. Nem sempre é possível ajudar alguém com ações diretas, mas sempre é possível dizer palavras de consolo e edificação. Salomão diz que elas “são doces para a alma e trazem cura para os ossos”. Assim, qual é o servo de Deus que conseguirá encontrar mais prazer em destruir que em edificar, em desanimar que em encorajar, em abater que em levantar, em derrubar que em sustentar? Você deve ser bastante responsável e tomar muito cuidado com o que diz. Com tanta possibilidade de ajudar, Deus certamente cobrará as pessoas que usarem suas palavras para o mal dos seus irmãos.

Pr. Thomas Tronco

Este site é melhor visualizado em Mozilla Firefox, Google Chrome ou Opera.
© Copyright 2009, todos os direitos reservados.
Igreja Batista Redenção.