Segunda, 27 de Fevereiro de 2017
   
Tamanho do Texto

Pesquisar

Provérbios 6.16-19

  

Provérbios 6.16-19

“Há seis coisas que o Senhor odeia, sete coisas que ele detesta: olhos altivos, língua mentirosa, mãos que derramam sangue inocente, coração que traça planos perversos, pés que se apressam para fazer o mal, a testemunha falsa que espalha mentiras e aquele que provoca discórdia entre irmãos” (Pv 6.16-19 NVI).

O dia 17 de junho de 2015 será lembrado como a data em que Dylann Roof assassinou nove pessoas na Igreja Africana Metodista Episcopal de Charleston, na Carolina do Sul (EUA). Ele afirmou que pretendia lançar uma “guerra racial” ao disparar contra o grupo que participava de uma reunião de estudos bíblicos. Seis mulheres e três homens, entre eles o pastor da igreja e senador dos Estados Unidos, Clementa Pinckney, morreram em consequência dos disparos — o atirador justificou a ação dizendo que os negros estavam tentando “se apoderar dos Estados Unidos”. No final das contas, não passou de mais um cruel crime de ódio.

Quanto mais vivemos, mais aprendemos sobre o ódio que o homem abriga em seu coração e sobre os tristes resultados deles. Mas Deus também sabe o que é odiar, com a diferença de que ele odeia o pecado e a maldade dos rebeldes e perversos. Assim, Salomão introduz esse trecho dizendo que “há seis coisas que o Senhor odeia, sete coisas que ele detesta”. Esse formato numérico crescente é uma figura de linguagem — muito frequente no capítulo 30 — que tem como intenção introduzir uma lista não exaustiva que pretende enfatizar um enfoque em especial. O primeiro pecado odiado por Deus são os “olhos altivos”, algo que também poderia ser descrito como um coração orgulhoso ou uma atitude arrogante. O segundo pecado é a “língua mentirosa” que causa males em terceiros e que é fruto de um caráter pervertido (vv.12-14). O terceiro está ligado às “mãos que derramam sangue inocente”, cuja crueldade e injustiça são totalmente rejeitadas pelo Senhor.

O quarto pecado odiado por Deus é o “coração que traça planos perversos”, algo que não tem a ver com impulsividade ou mera tolice, mas com uma maldade premeditada e consciente que tem como objetivo prejudicar terceiros para obter benefícios pessoais. O quinto são os “pés que se apressam para fazer o mal”, já que esse é o passo seguinte daquele que faz planos malignos em seu coração, passando agora à ação prática da sua maldade. O sexto pecado vem daquele que é uma “testemunha falsa que espalha mentiras”, maculando qualquer conceito de justiça e retidão com seu falso testemunho, carregado de claras intenções de prejudicar alguém. Porém, o último pecado, o sétimo da lista, é o que recebe uma atenção especial dentro da figura numérica crescente que introduz o texto. Sendo assim, o escritor apresenta o pior pecado dessa lista como vindo daquele “que provoca discórdia entre irmãos”. Além de esse tema concordar e ilustrar o ensino do escritor nos vv.12-15, esse versículo também serve como um tipo de clímax na reprovação do perverso que coloca uns contra os outros com a finalidade de obter benefícios pessoais. Uma lista como essa deve fazer qualquer pessoa pensar muito bem antes de fazer coisas que o colocariam nessa linha de tiro. Ao contrário, a decisão do sábio é ser alvo do mais sublime e maravilhoso amor do Senhor, crendo e se entregando ao Senhor Jesus Cristo. É essa a escolha que você tem feito? Pense bem!

Pr. Thomas Tronco

Este site é melhor visualizado em Mozilla Firefox, Google Chrome ou Opera.
© Copyright 2009, todos os direitos reservados.
Igreja Batista Redenção.