Segunda, 11 de Dezembro de 2017
   
Tamanho do Texto

Pesquisar

Como Orar pela Igreja Perseguida

Pastoral

“Que o Senhor conduza o coração de vocês ao amor de Deus e à perseverança que vem de Cristo” (2Ts 3.5).

Se você conhecesse bem de perto uma igreja recém-formada que passasse por inúmeras perseguições numa cidade em franco declínio moral, como oraria por ela? De pronto, posso imaginar que a resposta mais comum a essa pergunta seria a seguinte: “Eu oraria para que Deus desse forças e paciência à tal igreja, rogando também que bem depressa as perseguições acabassem e o evangelho obtivesse pleno triunfo naquele lugar”.

Naturalmente, todos diríamos “amém” ao fim dessa oração e isso seria absolutamente correto. Com efeito, Paulo, conhecendo muito bem a jovem igreja de Tessalônica e estando ciente dos ataques que ela sofria, fez súplicas a seu favor que se harmonizam substancialmente com as que faríamos, caso víssemos irmãos nossos sendo perseguidos por causa da fé (veja-se 3.16, por exemplo).

Mesmo assim, é ainda possível aprender com as súplicas proferidas por Paulo em situações desse tipo. O desejo/súplica transcrito acima mostra isso. Nesse texto, Paulo faz dois pedidos a Deus em favor da sofrida igreja a que escreve. É muito instrutivo observar esses pedidos e, quem sabe, repeti-los em nossas orações em prol daqueles que sofrem pelo nome de Cristo.

O primeiro desejo/súplica de Paulo é que o Senhor conduza o coração dos crentes ao amor de Deus. Conduzir o coração significa guiar o entendimento das pessoas, pois o termo “coração”, nessa passagem, tem o sentido comum de “mente”, não podendo ser associado apenas a sentimentos e emoções. O que se depreende disso é que os crentes devem ter uma compreensão intelectual guiada pelo Senhor a certas direções. Sua mente deve tomar determinados rumos, seguir algumas rotas enquanto Cristo a dirige. O mundo ou as circunstâncias não devem tomar o leme do nosso barco mental ditando nossos pensamentos e, consequentemente, nossas formas de agir. Temos um capitão e pertence só a ele o direito de apontar a direção que nossa forma de pensar deve seguir.

Como se vê no texto, um dos rumos a que Cristo deve dirigir a mente dos crentes perseguidos é o “amor de Deus”. Essa expressão pode se referir ao amor por Deus ou ao amor que Deus tem (no caso, pelos homens). As duas opções são aceitáveis, mas a segunda parece melhor à luz do texto e do seu contexto. De fato, uma igreja sofrida como a de Tessalônica podia deixar de compreender o grande amor que Deus tinha pelas pessoas e, sob os golpes dos inimigos, desanimar, acreditando que o Senhor, na verdade, não a amava. Isso seria uma forma absurda de pensar durante as provas e Paulo sabia que a ajuda de Deus era necessária para que seus leitores tivessem um entendimento correto da maneira como o amor de Deus por seu povo se manifesta até mesmo (e principalmente!) durante os tempos difíceis.

Além disso, a igreja que sofre e que, ao longo desse duro processo, não entende com clareza o amor que Deus tem pelos homens tende a se tornar rude e amarga no trato com os incrédulos e até de uns com os outros. Pode se embrutecer e criar uma casca grossa em torno do coração, deixando de lado a docilidade, a compaixão e a brandura próprias do amor. Na verdade, isso aconteceu mais tarde com a cansada igreja de Éfeso que, em meio a tantas lutas, abandonou o seu primeiro amor e foi, por isso, repreendida pelo Senhor (Ap 2.2-4).

Paulo estava ciente desse perigo. Daí suplicava que o Senhor direcionasse os tessalonicenses a um entendimento maior do imenso amor de Deus por eles e pelos perdidos, esperando que os picos dessa compreensão se elevassem tanto que a neblina das perseguições não fosse capaz de cobri-los, fazendo-os desaparecer.

A seguir, Paulo expressa um outro desejo/súplica. Trata-se de mais uma direção a que ele almeja que o Senhor dirija o entendimento dos crentes perseguidos. Ele esperava que a mente dos tessalonicenses assimilasse melhor e com mais clareza tudo que envolve a perseverança “que vem de Cristo”. A expressão exata no texto grego é “perseverança de Cristo” e pode se referir à espera paciente do crente pela vinda do Senhor, à firmeza que Cristo dá aos crentes ou à firmeza que Cristo demonstrou diante do mal. Considerando que o “amor de Deus” analisado anteriormente parece se referir ao amor que Deus demonstra aos homens, talvez seja mais apropriado entender a “perseverança de Cristo” também como a firmeza que Jesus demonstrou aos homens durante o tempo de sua humilhação. Se for esse o caso, Paulo ora para que os crentes entendam a dimensão dessa firmeza, lembrem-se de suas manifestações enquanto o Senhor esteve aqui e programem seus intelectos para imitá-la haja o que houver.

Que belos anseios Paulo nutria em relação aos crentes ameaçados de Tessalônica! Ele queria sim vê-los desfrutando de paz e tranquilidade. Contudo, sabia que, enquanto essas bênçãos não chegassem, tudo de que eles precisavam era uma mente dirigida pelo Senhor, de tal forma que  jamais se esquecessem da grandeza do amor de Deus e do exemplo de Cristo.

Que tal orarmos como o apóstolo Paulo? Vamos pedir que essas mesmas coisas sejam dadas a nós que enfrentamos constantemente os rancores dos maus. Vamos pedir essas mesmas coisas em favor dos nossos irmãos ao redor do mundo que, por causa da fé, derramam sangue, suor e lágrimas todos os dias, todas as horas.

Pr. Marcos Granconato

Non nobis, Domine  


Este site é melhor visualizado em Mozilla Firefox, Google Chrome ou Opera.
© Copyright 2009, todos os direitos reservados.
Igreja Batista Redenção.