Quinta, 19 de Outubro de 2017
   
Tamanho do Texto

Pesquisar

Salmo 23 - O Pastor e Suas Ovelhas

 

Lembro-me, em meio a risos, de certa vez que fui a uma pizzaria de uma cidade pequena. Olhei o cardápio enquanto a atendente me observava. Decidi, finalmente, e pedi uma pizza portuguesa. A atendente me respondeu que seria impossível atender ao meu pedido porque eles não tinham ovo. Então, pedi sem ovo. Mas, segundo ela, também não tinham presunto. Corri, novamente, os olhos pelo cardápio e escolhi uma pizza de calabresa, a qual, a ouvi dizer, estava em falta. Sem olhar o cardápio, daí para frente, fui pedindo outros sabores: pedi frango com Catupiry – não tinha frango –, champignon – também não – e muzarela – só tinham queijo prato. 

Numa iniciativa pra lá de prática, perguntei, então, que tipo de pizza eles poderiam fazer, disposto a pedir qualquer uma cujo pedido pudesse ser atendido. A surpreendente resposta foi: “Nenhuma! Hoje não temos massa”. Fiquei olhando para a moça, calado, sem saber como reagir a essa informação. As perguntas que corriam por minha mente eram, em primeiro lugar, “por que ela não me disse isso logo no início, em vez de me deixar pedir sabor após sabor?”; e: “Como pode uma pizzaria que está aberta não ter nenhum ingrediente para fazer pizzas?”. Bem, não comi pizza naquela noite, mas ganhei uma história curiosa para contar.

Em contraposição a essa incabível falta de ingredientes, o rei Davi falou sobre uma fonte onde nada falta. O Salmo 23 é uma declaração da confiança irrestrita do salmista no Deus eterno a quem nada pode limitar. Trata-se de um Senhor que nunca age com infidelidade ou indiferença para com os que lhe pertencem.

Se o salmo inteiro não é conhecido de todos, o trecho “o Senhor é meu pastor e nada me faltará” é um dos versículos mais conhecidos do Antigo Testamento e de toda a Bíblia. Mesmo muito conhecido, o salmo nem sempre é corretamente compreendido. Para tanto, é preciso entender o seu contexto, ou seja, o momento pelo qual Davi estava passando. Se o início do salmo é um tipo de metáfora na qual Deus é descrito como um pastor e o salmista como uma ovelha, o v.5 deixa escapar um pedacinho da realidade do escritor: “Tu preparas uma mesa diante da minha face à vista dos meus inimigos; unges com perfume a minha cabeça; minha taça está cheia” (ta‘arok lefanay shulhan neged tsoreray disshanta basshemen ro’shî kôsî rewayâ). Dois fatores nos são acessíveis diante desses dizeres. Em primeiro lugar, Davi sofria com a perseguição dos inimigos e com os riscos advindos dela. Depois, ele confiava plenamente no fato de que o Senhor o livraria dos inimigos e tornaria pública sua atuação favorável ao servo. Deus, a seu tempo, também o honraria como rei diante do povo com todos os privilégios que acompanham o cargo.

Compreendendo o contexto, é possível, então, perceber a confiança de Davi por meio da comparação do cuidado de Deus em relação ao seu povo com o cuidado de um pastor em relação às suas ovelhas. Nesse sentido, cinco ações de um pastor representam as próprias bondade e proteção divinas que Davi esperava receber, motivo pelo qual declara (v.1): “O Senhor é meu pastor, não terei necessidades” (yehwâ ro‘î lo’ ’ehsar).

A primeira ação é alimentar as ovelhas. Falando de Deus como pastor (v.2), diz o salmista que “ele me faz deitar em pastagens de erva verde” (bin’ôt deshe’ yarbîtsenî). Essa é uma figura muito representativa do trato de ovelhas. Elas se alimentando de ervas nutritivas e gostosas, fáceis de serem arrancadas e deglutidas. Podemos até brincar dizendo que é o sonho de toda ovelha. Representa muito bem o alimento dado por Deus aos crentes por meio da sua Palavra (Hb 5.12-14), a qual nos fortalece para a jornada cristã e nos dá o prazer de conhecer melhor nosso redentor e sua vontade para seu povo.

A segunda ação é conduzir com segurança. Ainda no v.2, Davi escreve: “Ele me leva a fontes tranquilas” (‘al-mê menûhot yenahalenî). Considerando que algumas regiões de Israel são montanhosas, onde há rios cujas águas correm mais rápido que as águas de rios de planície, uma das responsabilidades do bom pastor era levar suas ovelhas aonde as águas não fossem do tipo “corredeiras”. Essa necessidade vem do fato de as ovelhas terem uma pelagem densa e farta que, quando molhada, aumenta o seu peso até ao ponto em que ela não possa se sustentar na correnteza e afunde para a morte. Assim, essa tarefa pastoril é relativa ao cuidado do Senhor com suas ovelhas ao lhes alertar sobre o pecado e suas consequências (Tg 1.15) a fim de que fujam daquilo que certamente lhes causará mal.

A terceira é produzir descanso. O v.3, em uma das duas possíveis traduções, diz: “Ele devolve as forças à minha alma” (nafshî yeshôvev). Uma segunda tradução possível, cujo sentido é também verdadeiro, é: “Ele reconduz minha alma” – no sentido de produzir arrependimento no pecador. Essa tradução se encaixaria na figura do pastor buscando a ovelha desgarrada, mas, dada a sequência natural do texto, o sentido mais provável parece recair sobre o descanso, ou o refrigério. De qualquer modo, as duas possibilidades são verdadeiras. Deus tanto dá descanso ao filho cansado, sobrecarregado e oprimido (Mt 11.28), como corrige o filho que se desviou (Hb 12.5-11).

A quarta é guiar por caminhos corretos. Ainda no v.3, o salmista declara: “Ele me guia no trilho da justiça por causa do seu nome” (yanhenî bema‘gelê-tsedeq lema‘an she). Fica claro que o sentido figurado do pastor e das ovelhas começa a perder um pouco seu enfoque para dar lugar às ações, de fato, de Deus para com seus filhos. Os servos de Deus, como suas ovelhas, têm, diante de si, um caminho moralmente justo e compatível com o santo nome de Deus. Sua preocupação, diferente da das ovelhas, não é apenas ir para onde haja comida e água, mas fazer o que é moralmente correto. E nesse sentido, Deus, o bom pastor dos que creem, não apenas aponta o caminho da justiça, mas guia o seu rebanho para lá (Mt 2.6). 

A quinta ação é dar verdadeiro consolo. Diz o v.4, texto também muito conhecido e citado: “Até mesmo quando eu andar no vale da escuridão, não temerei mal algum, pois tu estás junto a mim” (gam kî-’elek begê’ tsalmawet lo’-’îra’ ra‘ kî-’attâ ‘immadî). Essa é uma declaração muito encorajadora. Entretanto, podemos nos perguntar o porquê de ele não ter medo. Será que a presença de Deus o livraria de todo mal? Bem, essa esperança, por parte do salmista, está presente no Salmo 23, mas não no v.4. Nesse caso, o motivo dado pelo escritor para sua ausência de temor é baseada em mais algumas figuras pastoris: “O teu bordão e o teu cajado, ambos, me consolam” (shivteka ûmish‘anteka hemmâ yenahamunî). Deus, em lugar de livrar total e imediatamente, trabalha com seus servos “tranqüilizando-os”, enquanto os guia e protege. É uma ação maravilhosa e surpreendente que não se aplica na situação, mas acima dela (Jo 14.27; 16.33). Não é de surpreender que Davi termine o salmo dizendo: “Bondade e misericórdia me seguirão todos os dias da minha vida” (’k tov wahesed yirdefûnî kol-yemê hayyay).

Se o Senhor era o pastor de Davi, é também o pastor de todos aqueles que creem em Jesus. Nosso salvador disse certa vez: “Eu sou o bom pastor” (Jo 10.11). Como tal, disse que deu sua vida pelas ovelhas. É um pastor verdadeiro que ama como ninguém as suas ovelhas. Foi esse pastor que nos redimiu e nos libertou do pecado por sua morte. A partir de então, ele promove todo bem, proteção e direção que precisamos. Ele não se esquece de nada, nem fica ocupado demais para cuidar de nós. Assim, podemos repetir, com toda certeza, a famosa frase que até criancinhas sabem de cor: “O Senhor é meu pastor e nada me faltará”.

Pr. Thomas Tronco

Este site é melhor visualizado em Mozilla Firefox, Google Chrome ou Opera.
© Copyright 2009, todos os direitos reservados.
Igreja Batista Redenção.