Quinta, 21 de Setembro de 2017
   
Tamanho do Texto

Pesquisar

Salmo 28 - Um Tratamento Especial

 

alguns anos, testemunhei o início da carreira de um político que tinha uma história de luta contra as dificuldades da vida. Em suas primeiras semanas de mandato, flagrei-o carregando arquivos pesados em um posto de saúde e fazendo serviço braçal nas ruas da cidade, de enxada na mão, com a intenção de servir à população – apesar de esses trabalhos serem de responsabilidade dos funcionários da prefeitura e não dele. O fato é que, mesmo inexperiente na vida política, aquele homem, simples no falar e no agir, realmente queria fazer jus ao cargo para o qual foi eleito.

Não somente as responsabilidades eram novidades para esse político, mas, também, as prerrogativas. Ele se apresentava em todos os lugares como detentor de um cargo eletivo a fim de ser admirado pelos outros ou tratado com certa deferência. Certa vez, quando alertado por um motorista sobre a possibilidade de ser multado caso fosse pego por um policial sem usar o cinto de segurança do veículo, ele respondeu que não havia problema, pois bastava mostrar sua carteirinha de político para que o agente da lei desistisse de qualquer tipo de punição – o que popularmente chamamos de “carteirada”. É claro que seu cargo não era tão alto assim, de modo que o desejo desse tipo de tratamento diferenciado, principalmente ao infringir a lei, me pareceu até risível.

Houve outro detentor de um cargo administrativo que pediu um tratamento diferenciado e o obteve. Fora eleito por Deus para o cargo de rei da nação israelita. Ele, o rei Davi, é o autor do Salmo 28, no qual clama a Deus para ser tratado de um modo peculiar em relação a outro grupo de pessoas. Contudo, ele não pede para receber vantagens em detrimento dos pobres e necessitados. Ele, que possivelmente corria o risco de morrer na mão dos inimigos (vv.1,2), clama a fim de ser tratado de forma diferente daquela que Deus trata os perversos. Ele quer ser alvo da graça e da misericórdia do Senhor, enquanto os ímpios são punidos com justiça. Para tanto, ele apresenta a Deus três modos de agir dos perversos que não eram compartilhados por ele, motivo pelo qual solicita, em humildade, um tratamento diferente.

O primeiro modo condenável de agir dos perversos é praticar o mal. Davi escreve (v.3): “Não me arrastes com os maus e com aqueles que praticam a iniquidade” (’al-timshekenî ‘im-resha‘îm we‘im-po‘alê ’awen). A palavra hebraica para “iniquidade” (’awen) foi bem escolhida por Davi. Ela produz, na mente do leitor, a ideia não apenas dos atos perversos em si, mas, também, das suas consequências lastimáveis. Tais pessoas, na verdade, são “produtoras de lamentos” nos homens, pois causam dor aos que os cercam. Imagine que Raquel, pouco antes de morrer na sequência do parto de Benjamim, registrou todo seu sofrimento, tanto do parto doloroso como da iminência da morte, no nome do filho a quem chamou inicialmente de ben-’ônî, cujo significado é “o filho do meu lamento”, utilizando a mesma palavra hebraica (Gn 35.18). Davi pede para não receber o tratamento duro que Deus daria a esses homens malévolos.

O segundo modo de agir dos perversos é falar falsamente. Davi se refere a eles (v.3) como “aqueles cujas palavras são pacíficas para com seus companheiros” (dovrê shalom ‘im-re‘êhem). Isso parece soar muito bem. Faz-nos imaginar pessoas agradáveis e sorridentes que elogiam e parecem ser favoráveis às pessoas ao redor. Entretanto, essa visão se torna turva e tempestuosa quando Davi, na sequência, contrapondo a primeira impressão, mapeia para os leitores o coração dos perversos: “Mas há maldade no coração deles” (wera‘â bilvavam). A realidade era que, enquanto suas bocas adulavam os ouvintes, seus corações tramavam o mal. Essa é uma atitude muito perigosa para os alvos de tal procedimento, pois, não apenas é difícil criar defesas contra os malvados ataques, como, às vezes, é improvável que se descubram os tais ataques. Trata-se daquela circunstância em que, aquele que é ferido, se senta à mesa com o agressor em plena comunhão aparente.

A terceira prática condenável dos perversos é desprezar Deus. O v.5 vislumbra o modo de Deus agir na história e na criação por meio das expressões “os trabalhos do Senhor” (pe‘ullot yehwâ) e “a obra das suas mãos” (ma‘aseh yadayw). Ao ouvir tais frases, recordamos da criação divina de tudo que veio a existir a partir do nada (Gn 1.1; Hb 11.3), do modo como Deus sustenta o universo e cuida do homem (Mt 6.28-34; Hb 1.3) e das coisas que prometeu fazer no futuro (Is 61.11; Ap 22.6,7). Segundo o que descreveu Davi, os perversos não se impressionam com nada disso, visto que diz: “Pois não atinam para os trabalhos do Senhor, nem para as obras das suas mãos” (kî lo’ yabînû ’el- pe‘ullot yehwâ we’el- ma‘aseh yadayw). A grandeza da atuação de Deus não cria neles louvor, temor ou adoração. Eles desprezam os atos de Deus por desprezarem o próprio Deus eterno. O “deus” de tais homens é criado e sustentado por sua própria cobiça. Quanto ao Deus verdadeiro e único, seus corações não têm espaço para ele por ignorarem definitivamente sua revelação, seu caráter e seu poder.

Diante dessas três características dos homens maus e do caráter de Davi como servo de Deus, o salmista pede um tratamento especial para o Senhor, diferente do que receberão os ímpios. O resultado de cada tratamento é descrito a fim de encorajar os leitores a servir a Deus em lugar de agirem mal. Segundo o salmista, quanto aos ímpios, “ele [Deus] os demolirá e não os reconstruirá” (yehersem welo’ yivnem). Davi descreve figuradamente, tratando o caso como se fosse uma construção, o fato de que os ímpios receberão uma punição permanente devido a uma decisão sem volta. Por outro lado, a esperança de Davi – e sua oração – é que receba o tratamento próprio daqueles que temem a Deus e esperam, pela fé, em sua bondade (v.8): “O Senhor é a força deles” (yehwâ ‘oz-lamô). O povo de Deus não fica sem amparo, pois ele é o seu defensor.

Infelizmente, o que acontece nos dias de Davi acontece hoje também. Há muitos que agem conforme seus maus desejos e acreditam poder convencer Deus do contrário. A arrogância do homem tem feito com que se ache conhecedor de todas as respostas e dominador de todos os segredos. Para ele, Deus faz parte de uma imaginação humana desnecessária para o século 21. Até mesmo em muitas igrejas, o conceito de Deus se deteriorou dando lugar a um tipo de antropocentrismo doentio. Por outro lado, a boa notícia é que, assim como Davi temia e servia ao Senhor, há hoje, também, um grande número de pessoas que, pela fé no salvador Jesus Cristo, foram transformadas, perdoadas, justificadas e abençoadas com a dádiva da vida eterna. Elas servem a Deus e anunciam o evangelho de Jesus Cristo. São dirigidas pela Palavra de Deus e procuram santificar suas vidas à semelhança do seu Senhor. Esses são aqueles que receberão um tratamento diferenciado do Senhor com direito a viver por toda a eternidade ao seu lado.

Minha pergunta, diante disso, é uma: você já tem direito ao tratamento especial que Deus dará aos seus filhos por crerem em Jesus, ou você, ao comparecer diante do inevitável tribunal de Deus, pretende ver se pode se dar bem por meio de uma “carteirada”?

Pr. Thomas Tronco

Este site é melhor visualizado em Mozilla Firefox, Google Chrome ou Opera.
© Copyright 2009, todos os direitos reservados.
Igreja Batista Redenção.