Terça, 16 de Janeiro de 2018
   
Tamanho do Texto

Pesquisar

Salmo 65 - A Transbordante Gratidão da Restauração

 

Uma das grandes necessidades dos hospitais é um banco de sangue. Por isso, diariamente, pessoas se dirigem aos hemocentros a fim de, em ato altruísta, fornecer gratuitamente o que irá salvar a vida de outras pessoas. Mas, dificilmente, a história de algum doador poderá se equiparar à de Rose McMullin. Por ter um sangue raro, capaz de resistir ao staphylococcus aureus – uma bactéria que tem desenvolvido resistência à penicilina e que é responsável por diversas infecções que podem evoluir para uma septicemia –, ela doou sangue para mais de quatrocentas transfusões em quarenta Estados americanos. Às vezes, ela estava doando sangue em um extremo dos Estados Unidos, quando era chamada às pressas para atravessar o país a fim de doar na outra costa americana. Certa vez, na cidade de Portland, doou sangue para duas transfusões simultâneas. Essa senhora é considerada um fenômeno no universo médico.

Apesar de não compreendermos como seu sangue era capaz de resistir àquela bactéria e como seu corpo podia doar tanto sangue sem que a doadora corresse ela mesma algum risco, podemos compreender muito bem a gratidão das centenas de pessoas que ela ajudou a salvar. A maioria delas devia estampar um grande sorriso no rosto, talvez em meio a olhos marejados, e dizer: “Graças à bondade daquela mulher, estou hoje vivo”. Que gratidão elas deviam sentir!

O povo de Israel também deveria viver em gratidão a Deus. Refiro-me à ação benevolente do Senhor dando o necessário sustento pela colheita abundante dos agricultores israelitas. Como essa era uma previsão da aliança mosaica – boa colheita em resposta à obediência à aliança (Dt 28.1-5) e fome como resposta à desobediência (Dt 28.24 cf. v.15) –, houve vezes, como nos dias dos profetas Elias (1Rs 17.1; 18.2) e Joel (Jl 1.10) em que não existiram colheitas e a fome estava por toda parte. Nos dias de Davi, também teve fome enviada por Deus (2Sm 21.1,14). O Salmo 65 foi escrito no final de uma dessas ocasiões, quando o pecado do povo fez Deus lhes tirar o sustento. Diante do perdão divino e da restauração do sustento, o salmo serviu de instrumento de louvor a Deus pelo perdão e pela colheita, ambos vindos da sua bondade e do seu poder. Sendo esse um salmo de louvor efusivo, sua forma chama a atenção dos leitores para elementos do verdadeiro louvor.

O primeiro elemento do verdadeiro louvor é a dependência da graça restauradora. O primeiro verso do salmo começa com um problema para os tradutores que leva os exegetas a assumir posições diferentes quanto ao que Davi teria escrito. Entretanto, o texto trazido pela Bíblia hebraica encontra paralelos dentro do próprio saltério. Literalmente, Davi diz (v.1): “Para ti o silêncio é um canto de louvor, ó Deus” (leka dumîyâ tehillâ ’elohîm). Houve outras ocasiões em que, em meio ao sofrimento, Davi aguardou em silêncio a salvação de Deus (Sl 62.1). Sofrer o dano em atitude correta, cuja dependência do Senhor grite em meio ao silêncio, é um modo de glorificar a Deus. E o sofrimento não era pequeno, pois o próprio salmista chegou a fazer um voto ao Senhor, assumindo certos compromissos, para que Deus abrandasse a punição. Agora que o sofrimento se foi, Davi diz: “Um voto a ti será cumprido” (leka yeshullam-neder).

Entretanto, o verdadeiro louvor brota do perdão que Deus concede aos pecadores. O pecado realmente estava presente, pelo que Davi confessa (v.3): “Os atos de iniquidade foram mais fortes do que eu” (divrê ‘aônot gavrû mennî). Essa era a razão de desventura pela qual os israelitas passaram. Vale observar que, apesar de Davi confessar seu pecado, o contexto mostra que ele não era o único envolvido nesse mal, visto que a seguir ele faz referência às “nossas culpas”. Mesmo assim, a dependência da graça restauradora de Deus não se mostrou inútil, pois, diz o salmista a Deus: “Tu perdoas nossas culpas” (pesha‘ênû ’attâ tekafferem). Essa realidade é o motivo inicial da alegria israelita (v.4): “Feliz é aquele a quem tu escolhes e aproximas a fim de habitar nos teus átrios” (‘ashrê tivhar ûtqarev yishkon hatsereyka).

O segundo elemento é a devoção ante a soberania de Deus. A primeira parte do salmo fala do perdão de Deus. Mas quem veria tal ação? Na verdade, nesse caso, o perdão de Deus foi visto na reversão das forças da natureza que estavam servindo de punição. Dar ordens à natureza e ela obedecer é algo que demonstra uma soberania inigualável que somente Deus pode ter. Por parte do homem, só resta a ele se admirar diante de tal poder e temer o Deus que age assim (v.5) “Tu nos respondes com feitos temíveis” (nôra’ôt betsedeq ta‘anenû). Tal temor deve levar, imediatamente, o servo de Deus ao louvor e à devoção do Todo-poderoso. É exatamente o que acontece no caso do salmista que se dirige ao Senhor nos seguintes termos: “Ó Deus da nossa salvação, ó esperança de todos os confins da terra e dos mares distantes” (’elohê yish‘enû mivtâ kol-qatswê-’erets weyam rehoqîm). Os vv.6-8 somente completam essa ideia enaltecendo o poder e controle de Deus sobre a criação, incluindo os grandes poderes da natureza como a firmeza das montanhas e a força dos mares. A mera reflexão sobre a grandeza e a soberania divina produz adoração no servo.

O terceiro é a declaração dos feitos divinos. Tão logo Davi tenha refletido no poder ilimitado do Senhor sobre tudo que existe, ele fala claramente dos feitos de Deus em resposta ao perdão que concedeu aos israelitas. Se um dos castigos previstos na aliança mosaica era a seca que gerava fome, Deus abençoa, agora, com a chuva (v.9): “Tu atentaste para a terra e a regaste” (paqadta ha’arets watteshoqqeha). A chuva é o meio que leva a uma colheita abundante. Assim, a sequência narrativa mostra que, se Deus, antes, cortou a colheita dos agricultores e das suas famílias, agora ele a devolveu: “Tu asseguraste o cereal deles” (takîn deganam). E ainda (v.10): “Favoreceste a plantação” (tsimhah tebarek). Com a farta produção do cereal, Deus também lhes concedeu a vida. Essa é uma bênção muito grande para ficar fora do louvor. Na verdade, essa gratidão específica pelos feitos divinos em favor dos homens é um dos obrigatórios elementos do louvor ao Todo-poderoso Pai da misericórdia.

Finalmente, o quarto elemento do verdadeiro louvor é o deleite do culto exultante. No final do salmo (vv.12,13), Davi lança mão de um recurso literário chamado “personalização”, em que objetos inanimados são descritos como agentes atuantes. Nesse caso, os personagens são os “montes”, os “pastos” e os “vales”. Davi diz: “Os montes se vestem de júbilo” (gîl geva‘ôt tahgornâ), “os pastos se cobriram [com] o rebanho” (lovshû karîm hatso’n), “e os vales se revestiram de cereal” (wa‘amaqîm ya‘atfû-bar). Assim, Davi se refere à fertilidade agropecuária produzida por Deus. Contudo, a personificação não termina por aí, pois o salmista completa: “Eles bradam alegremente, bem como também cantam” (yitrô‘a‘û ’af-yashîrû). Na verdade, não eram os montes, pastos e vales que estavam alegres e cantavam, mas os israelitas, a começar pelo próprio salmista – veja-se que, no título do salmo, Davi o descreve com um “cântico”. Desse modo, percebe-se que o louvor e a gratidão a Deus sempre se dão em meio à disposição alegre, exultante, e não em tristeza, enfado e sentimento de fazê-lo obrigado. A adoração a Deus é um momento de júbilo para os verdadeiros adoradores, os quais foram abençoados e redimidos por seu Senhor.

Quem pode ser impassível diante da graça de Deus a nós? Quem pode cultuá-lo fria e mecanicamente depois de ser salvo pelo Filho que foi dado pelo Pai como sacrifício por nossos pecados? Quem seria ingrato a esse ponto? A resposta natural a essas perguntas retóricas mostra que, quando os crentes participam dos cultos ao Senhor Todo-poderoso com indiferença, é porque se esqueceram do quanto dependem de Deus, do perdão gratuito que lhes concedeu e por tudo que fez e faz pelos seus. Se o tédio, o egoísmo, a atitude crítica e a indiferença são as marcas do louvor a Deus, a última coisa que pode ser dita sobre isso é que se trata de um “verdadeiro louvor”. De fato, isso se chama “ingratidão”.

Pr. Thomas Tronco

Este site é melhor visualizado em Mozilla Firefox, Google Chrome ou Opera.
© Copyright 2009, todos os direitos reservados.
Igreja Batista Redenção.