Segunda, 27 de Fevereiro de 2017
   
Tamanho do Texto

Pesquisar

Estudo 27 - A Pessoa do Cristo Encarnado

 

1- A FÓRMULA DE CALCEDÔNIA (451 A.D.)

“Fiéis aos santos pais, todos nós, perfeitamente unânimes, ensinamos que se deve confessar um só e mesmo Filho, nosso Senhor Jesus Cristo, perfeito quanto à humanidade, verdadeiramente Deus e verdadeiramente homem, constando de alma racional e de corpo; consubstancial ao Pai segundo a divindade, e consubstancial a nós segundo a humanidade; em todas as coisas semelhante a nós excetuando o pecado, gerado, segundo a divindade, antes dos séculos pelo Pai e, segundo a humanidade, por nós e para a nossa salvação, gerado da virgem Maria, mãe de Deus. Um só e mesmo Cristo, Filho, Senhor, Unigênito, que se deve confessar, em duas naturezas, inconfundíveis, imutáveis, inseparáveis e indivisíveis. A distinção de naturezas de modo algum é anulada pela união, mas, pelo contrário, as propriedades de cada natureza permanecem intactas, concorrendo para formar uma só pessoa e subsistência; não dividido ou separado em duas pessoas, mas em um só e mesmo filho Unigênito, Deus Verbo, Jesus Cristo Senhor, conforme os profetas outrora a seu respeito testemunharam, e o nosso mesmo Jesus Cristo nos ensinou e o credo dos pais nos transmitiu.”

 

2 - A DIVINDADE ABSOLUTA DO CRISTO ENCARNADO

A)    Ele possui atributos divinos como eternidade (Jo 8.58; 17.5), onisciência (Lc 6.8), onipotência (Mt 28.18; Jo 11.38-44) e imutabilidade (Hb 13.8);

B)    Ele faz o que somente Deus é capaz de fazer, como perdoar pecados (Mc 2.1-12), dar vida (Jo 5.21), ressuscitar os mortos (Jo 11.43) e julgar todas as pessoas (Jo 5.22,27);

C)    Ele recebeu nomes e títulos divinos, como “Filho de Deus” (Jo 10.36), “Senhor” (Mt 22.43-45; Rm 10.9,13), “Deus” (Jo 1.1; 20.28; Hb 1.8) e “Rei dos reis e Senhor dos senhores” (Ap 19.16);

D)    Ele afirmou ser Deus (Jo 10.30).

 

3 - A PERFEITA HUMANIDADE DO CRISTO ENCARNADO

A)    Ele possuía um corpo humano que cresceu e se desenvolveu (Lc 2.52) e chamava a si mesmo de homem (Jo 8.40);

B)    Ele estava sujeito às limitações e sentimentos de um ser humano, como fome (Mt 4.2), sede (Jo 19.28), cansaço (Jo 4.6), compaixão (Mt 9.36) e tristeza (Jo 11.35).

 

4 - A UNIÃO DA DIVINDADE E DA HUMANIDADE NO CRISTO ENCARNADO

A união das duas naturezas de Cristo é chamada de “união hipostática”. É um dos conceitos mais difíceis de se entender da teologia cristã.

A)    O significado de “natureza” – É um conjunto de atributos. Jesus mantinha todos os atributos divinos e todos os atributos de um perfeito ser humano;

B)    O caráter da união – As duas naturezas de Cristo estavam unidas, sendo inconfundíveis, imutáveis, indivisíveis e inseparáveis e formando uma única pessoa.

C)    A comunhão dos atributos – Os atributos das duas naturezas estavam presentes em uma só pessoa, sem misturar as naturezas ou dividir a pessoa. Isso nos ajuda a entender como Jesus era fraco, mesmo sendo onipotente, e limitado, mesmo sendo infinito.

 

Este site é melhor visualizado em Mozilla Firefox, Google Chrome ou Opera.
© Copyright 2009, todos os direitos reservados.
Igreja Batista Redenção.