Sábado, 17 de Fevereiro de 2018
   
Tamanho do Texto

Pesquisar

Estudo 48 - O Arrebatamento da Igreja

 

1 – A DEFINIÇÃO DO ARREBATAMENTO

Apesar de a palavra Arrebatamento não constar na Bíblia, sua ideia de “retirada da igreja da Terra” está presente em 1Ts 4.17, derivando da palavra grega ἁρπάζω, que significa “arrancar” (segundo o Léxico, de Strong, significa pegar, levar pela força, arrebatar, agarrar, reivindicar para si mesmo ansiosamente[1]).

Ao dizer que “os mortos em Cristo ressuscitarão primeiro” (1Ts 4.16), o texto parece se referir apenas à igreja e não a todos os salvos de todas as eras.

Três passagens falam sobre o Arrebatamento: João 14.1-3; 1Coríntios 15.50-58 e 1Tessalonicenses 4.13-18.

 

2 – A VISÃO PRÉ-TRIBULACIONISTA DO ARREBATAMENTO

O Arrebatamento da igreja (tanto dos vivos como dos mortos) ocorrerá antes do período de sete anos da Tribulação, ou seja, antes da 70ª semana de Daniel (Dn 9.24-27).

As razões para a crença nessa posição são:

a)     A promessa de preservação “da hora da provação” de Ap 3.10, associada ao anúncio da segunda vinda de Jesus em no v.11b, sugerindo, com muita força, tratar-se do período da Tribulação.

O fato de Jesus não ter voltado na geração da igreja a quem se dirigiu tal promessa demonstra que se trata de uma esperança dirigida a toda a igreja (cf. Ap 3.13). Deve-se notar que o texto de Ap 3.10 não diz que os crentes serão guardados “na provação”, mas “da hora da provação”. Não significa fortalecer durante o sofrimento, mas evitar que se entre nele.

b)    Em 1Ts 5.1-11, Paulo afirma que apenas os incrédulos serão alvos do “Dia do Senhor” (v.2), e não os crentes.

Quanto a esses, “Deus não os destinou para a ira” (v.9). Apesar de esse texto poder ser compreendido, no âmbito geral, como a perdição eterna, o contexto imediato trata do juízo terreno chamado “Dia do Senhor”, o qual acometerá de surpresa os perdidos. Esse “Dia do Senhor” é associado ao período da Tribulação, para o qual, segundo o texto, os crentes não foram destinados.

Além disso, o fato de esse texto (1Ts 5.11) ser imediatamente posterior ao que fala do “Arrebatamento” (1Ts 4.13-18), torna mais clara ainda a ideia de que a igreja, por meio do Arrebatamento, será poupada do período da Tribulação para o qual não foi destinada.

c)     A completa ausência de menções da igreja nos relatos da Tribulação (Ap 4–19).

Para não basear esse argumento apenas no “silêncio” da Bíblia, é notório o serviço prestado a Cristo naquele período, por parte de judeus, diferente do que ocorre hoje por meio da igreja (Ap 7.4-8; 14.1-5).

d)    A menção, em 2Ts 2.1-9, da remoção daquele “que agora o detém” antes do "Dia do Senhor” e da revelação do “homem da iniquidade”.

 


1 Strong, J. Léxico Hebraico, Aramaico e Grego de Strong. Sociedade Bíblica do Brasil, 2005, #726.

Este site é melhor visualizado em Mozilla Firefox, Google Chrome ou Opera.
© Copyright 2009, todos os direitos reservados.
Igreja Batista Redenção.